1

Rastreando cópias com Tynt

Posted by Sandréa Moraes on sexta-feira, julho 31, 2009 in ,
Vocês conhecem o Tynt ?

É um serviço que rastreia o que foi copiado (com Ctrl+C mesmo) de um determinado site e faz um relatório detalhado: dá números, aponta as frases, as palavras, e até as imagens copiadas.

Em tempos de direitos autorais confusos, graças as tecnologias digitais, verificar o que foi copiado do seu blog, ou site de sua empresa, se torna uma opção interessante.

O serviço está em beta de modo que, por enquanto, é gratuito. Cadastre seu site e acompanhe os diversos indicadores disponibilizados pelo Tynt.

O BiblioPage, por exemplo, teve 8 parágrafos copiados na íntegra e mais de 720 palavras copiadas no todo. Uma imagem foi copiada daqui e mais 73 links. Nada mal...

Visite: Tynt

|
0

Edição de Imagens com GIMP

Posted by Sandréa Moraes on quarta-feira, julho 29, 2009 in , ,
O GIMP (GNU Image Manipulation Program) é a opção gratuita, open source, ao famoso Photoshop. É um editor de imagens muito bom, em constante atualização, e já traduzido para o Português. Alguns pronunciam "Guimp" outros pronunciam "Jimp"... uso a primeira...

O site da equipe desenvolvedora tem dezenas de informações sobre o programa além dos downloads.

Para o GIMP funcionar corretamente, tem que instalar um banco de dlls chamado GTK.

No Superdownloads você baixa e instala os dois juntos.

Para alguns o GIMP parece meio estranho pois suas janelas de ferramentas ficam soltas no desktop. Não é como o Photoshop, com um janelão com tudo dentro aonde você trabalha.

É que ele segue a lógica do sistema operacional Ubuntu, onde uma tela pode emular diversos desktops. Pra quem tem um monitor dual (dois monitores que se comportam como uma única tela) o Gimp é perfeito.

Na internet existem centenas de tutoriais sobre o GIMP. Este post da Neosite reúne alguns.

O bibliotecário pode usar o GIMP para fazer coisas básicas com imagens digitais e melhorar seu acervo.

O problema mais comum em imagens, por exemplo, é ela estar clara ou escura demais.

Para resolver isso basta abrir a imagem com o GIMP, na janela de imagem (normalmente a que abre no centro), clicar em Cores, depois Níveis e aí puxar, com o mouse pressionado, a linha central para cima ou para baixo conforme a necessidade. Você verá a imagem clareando ou escurecendo na mesma hora. Clique OK e salve a imagem.



Mais tarde falamos mais sobre o GIMP e bibliotecários.

|
2

Banco de Imagens: arquivamento

Posted by Sandréa Moraes on terça-feira, julho 28, 2009 in , , , , ,


Manter um Banco de Imagens não é uma tarefa fácil.
Diria mesmo que é até mais difícil que manter um acervo de livros e referência.

Isto porque uma imagem vale mais que mil palavras... só que você é bibliotecário e tem que escolher uma, ou uma dúzia...no máximo.

Uma imagem pode ser escolhida para ser aplicada em um trabalho por motivos diferentes.

Vejam por exemplo, essa imagem do post... poderíamos colocar como palavras-chave: Charles Chaplin, cachorro, Preto e Branco, vagabundo, o nome do filme, a data e tal. Mas a mesma foto pode ser escolhida por demonstrar ternura, afeto, relação homem-animal, pobreza; e mesmo pela distribuição espacial das figuras, do degradée do cinza e tantas outras coisas quanto a imaginação humana poderia suscitar no momento do olhar.

Com um desafio destes pela frente a primeira coisa a fazer é aprender como sua instituição trabalha e quais são seus objetivos. Assim já dá pra descartar algumas palavras.

Outra dica é ler um pouco e ver o que tem sido feito na área.

A Andreia Magalhaes publicou uma Proposta para um modelo de catalogação como estratégia de gestão e conservação de obras de arte de imagem e movimento, que sugere o agrupamento dos metadados por zonas de conteúdos informativos.

Fujita, Fogolin, Souza e Rodrigues também publicaram uma introdução ao assunto no SNBU acerca da representação documentária e digitalização de imagens.

Ter um software de catalogação/cadastro destas imagens é fundamental para a recuperação das informações.

Nossa empresa utiliza o Fotoweb da Fotoware. É um software pago (e diga-se de passagem, bem caro). Ele é considerado o topo de linha em gerenciamento de Banco de Imagens.

Inclui uma interface de cadastramento bem ampla, com dezenas de metadados; visualização em thumbnail, acesso via internet para cadastrados, carrinho de compras para imagens requisitadas. Bem bacana.

Se sua instituição não pode pagar um software assim, uma alternativa seria o Google Picasa.

A versão para download permite um cadastro mais simples em repositórios locais, mas já ajuda bastante a localizar as imagens.

O Pictomio também é uma opção gratuita e mais leve. Possui um pequeno editor embutido e permite a apresentação em slideshows.

Existem outras dezenas de opções na internet.


Ooops... meu tempo acabou... Amanhã falamos mais sobre a parte prática do trabalho com imagens.

|
2

Banco de Imagens

Posted by Sandréa Moraes on segunda-feira, julho 27, 2009 in , , , , ,

Puxa! A semana que passou foi super atribulada!

Dois eventos me impediram de postar: fotos do Presidente (da minha companhia) e atestados fotográficos de eventos.

Deixa explicar. É que cuido de dois acervos fotográficos em minha empresa.

São medianos: um físico com 400 CDs (com aprox. 50 imagens cada) e um digital, em pastas, com 95 mil arquivos (274GB).

Pois bem. O presidente necessitou atualizar suas fotos-boneco (fotos posadas) e quem seria a pessoa que conhecia o acervo e a demanda dos jornalistas o suficiente para dar apoio ao fotógrafo profissional? Pois é... a bibliotecária.

Longe de reclamar; adorei ter participado!

Imaginem eu dizendo ao presidente da companhia como ele deveria posar? "Sr. presidente, um leve sorriso, por favor.", "Sr.presidente, ponha as mãos assim...", "Sr., amassou aqui..."
Foi engraçado. Até gravata eu ajeitei. Que intimidade (ela está se achando)!

Depois de toda esta sessão fotográfica foi a hora de agrupar, selecionar e retocar as fotos junto com o fotógrafo. Um trabalho delicado.

Utilizei GIMP, software Open Source, para edição das imagens.
Ah! Sim. Também sei manipular imagens... Tirar uma sombra, melhorar a pele, atenuar um reflexo... Aprendi tudo na internet. Acho que um profissional deve saber/conhecer tudo que dá apoio à seu acervo. No meu caso, manipular imagens é um plus.

A segunda atividade que demandou tempo foi criar os atestados fotográficos.

Imagine uma empresa enorme, que realiza dezenas de eventos e as fotos dos mesmos ficam a seus cuidados.
Quando eles precisam mostrar a auditoria aonde o dinheiro foi gasto, não bastam as notas fiscais, têm que mostrar que o evento realmente continha os itens pagos. Daí a demanda.

Foram necessárias uma média de 4 fotos para cada evento de 2006 a 2009. Deu trabalho.

No próximo post vamos falar de arquivamento de imagens para destrinchar melhor este assunto.

|
0

Planta Baixa: Criar e Visualizar Ambientes e Projetos

Posted by Sandréa Moraes on terça-feira, julho 21, 2009 in , , , , ,

Estes dias têm sido muito atribulados... está difícil postar aqui...
Lembro que uma vez me pediram para planejar o novo espaço da biblioteca onde trabalhava.

Usei o bom e velho Paint Brush para criar a planta baixa da distribuição das estantes e paredes.

Deu trabalho mas ficou bom. Não ficou lá tão profissional quanto um arquiteto faria... mas como no meu caso, era justamente para um arquiteto avaliar, acho que foi suficiente...
Atualmente dispomos de várias ferramentas com a finalidade de facilitar o trabalho de desenho. Os sites abaixo ajudam bastante e são gratuitos:

Autodesk Project Dragonfly: este site é muito legal. Disponibiliza ferramentas para desenhos de espaços com visualização em 3D. Como ainda é um projeto, tem suas limitações... mas é ótima opção para quem deseja desenhar um espaço simples.

Small Blue Printer: é menos audacioso, mas funciona bem. Também disponibiliza visualização em 3D dos espaços criados. Inclui um Floor Planner (detalhamento de salas) e um Garden Planner (para jardins).

Project Draw: esse está embutido no conceito de SaaS já visto aqui. É um programa online. Disponibiliza várias formas geométricas, setas, móveis para aplicação. A Visualização é em 2D. O bom é que pode ser usado também para desenhar fluxogramas e gráficos, como o de arquitetura de redes.

FlowChart: este é pago, mas como está em Beta estão, por enquanto, disponibilizando o acesso gratuito. Como o Project Draw, ele é mais um programa que um site. Seu ponto forte está na possibilidade de colaboração online e um extenso clipart para criação dos gráficos e infográficos.

Graphsy: é o mais simplesinho, mas ainda poderoso. Dispõe de vários itens em 2D como formas geométricas e objetos. O legal é que com ele é possível animar a apresentação do gráfico e convidar outros para verem no próprio site.

Para ajudá-lo a desenvolver seu projeto você pode visitar o site da Oficina de Desenho (de onde utilizei a imagem deste post). Ele reúne artigos de representações gráficas na área de construção civil, decoração e indústria moveleira. É um espaço onde usuários podem desenvolver suas criações, além de ser um canal de comunicação para desenhistas, arquitetos e engenheiros.

Acho que agora já dá para rascunhar a planta baixa bem melhor do que eu fiz com o Paint...

|
0

GlowTxt

Posted by Sandréa Moraes on terça-feira, julho 14, 2009 in ,


O GlowTxt converte um texto em imagem com efeito brilhante, com ou sem animação.
Possui vários modelos a sua escolha.
É perfeito pra quem quer poupar o tempo no photoshop.

Pode ser aplicado em sites, blogs, e itens de papelaria.

|
0

Pictaculous: cores que combinam

Posted by Sandréa Moraes on terça-feira, julho 14, 2009 in ,

Bacaninha: você faz o upload de uma pequena imagem (até 500kb) e o site te dá uma sugestão de paleta de cores que combinam com ela.
Legal para compor uma página em html, revista, banner etc.

Visite: Pictaculous

|
2

Gecko, adesivos para paredes

Posted by Sandréa Moraes on sexta-feira, julho 10, 2009 in
Se sua bibliotca tem aquela área que precisa de uma decoraçãozinha, como uma área infantil, uma parede sem graça, uma salinha de espera, este é o site: Gecko.

Lá podem ser encontrados adesivos para paredes que vão bem em qualquer lugar.
Muito bonitos e a preços acessíveis.

|
0

My Award Maker, certificados

Posted by Sandréa Moraes on sexta-feira, julho 10, 2009 in ,

Está precisando de um modelinho de certificado?

O My Award Maker tem dezenas deles. Ah, sim, todos em inglês.

Mas se você escolher os blank templates vão aparecer alguns que podem ser usados.

É só baixar e editar.

|
0

Google Similar Images

Posted by Sandréa Moraes on sexta-feira, julho 10, 2009 in ,

Já está na internet o novo buscador do Google Labs, o Similar Images.
Com ele é possível buscar imagens que se pareçam em forma e cor.

Pra quem já usa o Google Imagens , o novo Google Similar é um upgrade, ou como diria uma amiga minha, um plus a mais.

Nos testes que fiz ele foi muito bem.

Procurei por book (ele aceita palavras em português também, mas como sabem, estas ferramentas não foram feitas para nossa língua, então se quiserem resultados melhores, digitem em inglês...) e ele encontrou várias respostas.

Depois escolhi uma imagem de livros empilhados e ele me trouxe imagens similares à pilha que gostei.


|
0

Tecnologias Assistivas na área de Música

Posted by Sandréa Moraes on quinta-feira, julho 09, 2009 in , , , ,

Ontem o Jornal Nacional apresentou uma matéria interessante sobre o Musibraile, um editor de música para cegos. Achei super legal que esta área esteja se expandindo.

Se sua biblioteca pretende incluir o atendimento a deficientes visuais, provavelmente irá precisar de placas e faixas-guia. Estas podem ser encontradas no site Braile.com.br.

Uma boa impressora também será necessária e pode ser encontrada na Civiam apesar de que ainda estão muito caras. Uma opção barata esta sendo lançada, mas ainda não é comercial.

Os programas editores de texto braile podem ser encontrados no NCE da UFRJ e no site da Dodiesis.

Se interessar, leia meu outro post sobre Tecnologias Assistivas.

|
1

Cloud Computing & SaaS

Posted by Sandréa Moraes on quarta-feira, julho 08, 2009 in , , ,

Manter uma TI (Tecnologia da Informação, neste caso o departamento de TI) sai bastante caro para uma empresa. Manter licenças, manutenção e máquinas idem. Manter um ou vários servidores então, nem se fala.

É por isso que soluções como SaaS (Software as a Service = Software como um Serviço) e Cloud Computing (Computação nas Nuvens) estão ganhando espaço nos modelos de gestão.

Saas é o modelo onde as empresas deixam de comprar licenças e passam a ser “assinantes” dos softwares e aplicativos, que são acessados pela internet.

Cloud Computing é parecido com o SaaS, mas refere-se mais à estrutura da rede, que é feita com servidores de fora da companhia, do que com os softwares propriamente ditos.

Atualmente, já existe também o PaaS (Platform as a Service) que é quando uma empresa oferece uma plataforma para criação (Desenvolvimento), teste (Homologação) e oferta (Produção) de aplicativos. No entanto, muitos classificam o PaaS como uma modalidade de SaaS.

Existem vantagens e desvantagens nestes modelos.

As vantagens giram em torno da agilidade de criação, o acesso remoto as suas ferramentas, a personalização, e é claro, a terceirização que gera barateamento.

As desvantagens se relacionam a virtualização. Se a rede estiver fora do ar, ou se o serviço for a falência, por exemplo, já era; a empresa fica na mão.

Você deve estar se perguntando o que isso tem a ver com Biblioteconomia...

Bem, primeiro que saber essas coisas vai nos colocar em nível de diálogo com a TI. Segundo, que poderemos indicar as melhores fontes de serviços a nossa instituição. E terceiro, que existem serviços que são para nós.

O DocCenter e o DocAssist por exemplo, são sites que oferecem gerenciamento de documentos no modelo SaaS. O primeiro inclui a possibilidade de criar uma conta gratuita.

O BrainKeeper é um aplicativo para gerenciamento de conhecimento (KM - Knowledge Management) e o Learn produz e viabiliza cursos on-line (pagos, mas tem gratuito aqui).

Uma coletânea de aplicativos que gosto muito é da Aviary. Eles têm todos os softwares de manipulação de imagem que não perdem muito para os softwares pagos. É gratuito para uso pessoal.

Existe um mapa muito legal sobre a classificação SaaS e Cloud Computing que vale uma olhadinha para se ter uma ideia da área.

Indico o ThinkSaaS como seu site de ponto de partida para outras pesquisas na área. Lá você encontrará uma centena de links para diversos serviços.



|
0

Sites úteis 2: perda de documentos

Posted by Sandréa Moraes on segunda-feira, julho 06, 2009 in

Neste fim de semana perdi minha carteira com todos os documentos dentro...
Eu sei que não devia andar com os originais... mas se eles foram feitos para andar conosco... enfim... estava tudo lá. Identidade, CPF, cartão de crédito, bancário...

Fiquei apavorada pois só dei falta hoje.

Se os documentos não forem encontrados, é necessário dar o alerta de documentos perdidos antes que alguém cometa um crime, ou realize alguma compra em seu nome.

Abaixo vão os links de referência:

Delegacia Virtual (RJ) - neste link é possível registrar os documentos perdidos ou furtados (furto é quando alguém rouba de você sem que se perceba, sem agressão) online. Isso evita que você seja envolvido num crime como cúmplice onde tenham usado seus documentos.

SPC (RJ) - aqui você encontra o formulário e o endereço para avisar aos lojistas sobre o extravio. Se alguém realizar uma compra com seus cartões, você terá condições de negar-se a pagar com esse registro em mãos.

Serasa (Brasil) - via telefone , (11) 33, pode-se registrar o extravio e ter seu nome limpo se alguém usar seus cheques.

Correios (Brasil) - nem tudo é má intenção. Se alguma pessoa encontrou seus documentos e não conseguiu te contatar, ela pode entregar em qualquer agência dos Correios que os manterão num cadastro por 60 dias. Você pode consultar este cadastro online.

Além desses links, deve-se ir aos bancos e ligar para as administradoras de crédito.

Uma dica pessoal, acrescente na sua carteira uma papeleta com seus telefones para os casos de emergência médica... foi assim que acharam a minha e ligaram a pouco para meu marido... Ufa!!!

|
0

Sites úteis

Posted by Sandréa Moraes on sexta-feira, julho 03, 2009 in , , ,


Os sites abaixo são uma boa coletânea de utilitários para nosso dia a dia e para indicarmos aos nossos usuários:




  • HowStuffWorks: Como as coisas funcionam, neste caso o site americano. Muito bom pelos infográficos que disponibiliza.

  • Lynda.com: site com centenas de tutoriais sobre programas. Inclui vídeos, alguns sob assinatura.

  • Instructables: adoro esse site! Aprendi a fazer as melhores panquecas americanas nele. Há de tudo um pouco: reforma, cozinha, roupas, pintura, informática... todo mundo posta um vídeo ou imagens ensinando alguma coisa.

  • FixYa: como o nome diz, este site ensina a consertar hardware.

  • Livemocha: (in beta) formna social de aprender uma nova língua. O nativo da língua ensina o estrangeiro que por sua vez ensinará a ele sua língua.

  • WhitePages.com e PeopleFinders: ambos rastream endereços nos EUA.

  • Search Systems: Arquivos públicos americanos, canadenses e europeus. Inclui alguns arquivos públicos do Brasil.

  • Drop.io: 100MB de espaço para você disponibilizar seus arquivos grátis.

  • eSnips: parecido com o Drop.io só que inclui rede social. Você dá e recebe...arquivos.

  • Lulu: site que publica gratuitamente, e vende seus livros. Como o nosso Clube de Autores, só que muito melhor.

  • Animoto: já falei dele aqui. Produz vídeos com suas fotos. Ficam lindos!Tem que pagar pelo vídeo para download.

  • Photosynth: esse site monta uma espécie de 3D com suas imagens. Muito legal pra quem quer vender um apartamento, mostrar uma sala, criar um tour pela biblioteca...

  • Capzles: também faz slides shows com suas fotos incluindo música e imagens de fundo.

  • Vimeo: rede de compartilhamento de vídeos como no Youtube.

O melhor deixei pro final:

  • InSuggest: Como vocês acham que eu descubro essas coisas? O pulo do gato tái...

Vejam outras sugestões no artigo completo:
SULLIVAN, Mark. 100 Incredibly Useful and Interesting Web Sites. PC World, Oct 2, 2008. Disponível em: < http://bit.ly/pe7YD > Acessado em: (02/07/09)




|
0

OCR Terminal: de imagem para texto

Posted by Sandréa Moraes on quarta-feira, julho 01, 2009 in , ,

OCR Terminal é um site que converte imagens (.tiff, .pdf, .jpg, .bmp) para texto (.rtf, .txt, .xml ou .doc) gratuitamente.

Seu serviço é baseado, claro, no reconhecimento ótico de caracteres, o OCR (Optical Character Recognition) com boa qualidade.

A maioria dos scanners não consegue reconhecer acentos e cedilhas. O OCR Terminal também não.
O texto resultante vem sem acentos, mas isso qualquer corretor ortográfico resolve.
Ao menos ele não trunca as palavras com aqueles sinais gráficos como nos demais.

É um site muito útil para extrair o texto daquele jornal que foi escaneado como uma imagem, por exemplo. Obviamente, recaem aí mais problemas com os direitos autorais.

Fora esses detalhes, tá aí uma boa dica.



|

Copyright © 2009 Sandrea's BiblioPage All rights reserved. Theme by Laptop Geek. | Bloggerized by FalconHive.